[PELO BRASIL] Entrevista com Alaor Peinado, novo técnico do Unicamp Eucalyptus

[PELO BRASIL] Entrevista com Alaor Peinado, novo técnico do Unicamp Eucalyptus

O Unicamp Eucalyptus anunciou na semana retrasada a contratação de Alaor Peinado como head coach para a temporada de 2017. Peinado, que fazia parte da comissão técnica do Corinthians Stemrollers, será o responsável por conduzir a equipe da Universidade Estadual de Campinas no Campeonato Paulista de Flag. Em 2016, o time se classificou para os playoffs, mas não foi longe.

Confira abaixo a entrevista feita por Carlos Massari com Alaor. Ele fala sobre sua carreira, a chegada ao Eucalyptus e o desafio de treinar uma equipe universitária.

Como vc se tornou técnico de futebol americano? O que despertou essa vontade e por quais processos de qualificação passou?

Joguei futebol americano até 2013, quando tive que pendurar as chuteiras por problemas nos joelhos. Como sempre fui um entusiasta e estudioso do esporte, fui convidado no começo de 2014 pela diretoria do Paulinia Mavericks para ser o coordenador defensivo. Não foi difícil aceitar, já que pra quem quer continuar no esporte é o caminho natural.

Sobre qualificação, acho que no meu caso e diria em 95% dos coachs hoje atuando no pais a formação vem daquilo que cada um consegue levantar: literatura estrangeira que acaba chegando nas nossas mãos, alguma experiência que você acaba trocando com outros coachs, vídeos e jogos tanto do College quanto da NFL. Só agora vejo que há um movimento no sentido de qualificar melhor os técnicos e imagino que esse seja o alicerce para o crescimento do esporte no pais.

Fale um pouco sobre a sua carreira no esporte até chegar ao Eucalyptus?

Comecei a acompanhar o esporte no começo da década de 90, quando a Band iniciou as transmissões, mas só fui praticá-lo em 2009, quando foi formado o primeiro time de futebol americano de Campinas (Campinas Barons). Participei em 2010 da fundação do Campinas Mavericks (que foi a fusão entre os dois times de Campinas da época, o Barons e o Pandas), e depois na mudança pra da equipe para a cidade de Paulinia.

Disputei o Campeonato Paulista full pads em 2013 (4º lugar) e a primeira edição da taça 9 de Julho. No final daquele ano, resolvi pendurar as chuteiras em razão de uma serie de problemas no joelho. Com a saída do então treinador do Mavs, fui convidado pelo presidente da equipe para fazer parte da comissão técnica na função de coordenador defensivo, posição que ocupei durante todo o ano de 2014. Assumi como head coach na temporada de 2015.

No começo de 2016, participei da segunda Copa Sul-Americana de Futebol Americano, na cidade de Huixquilucan, no Mexico. Foi minha ultima competição com a equipe de Paulínia. Depois, me juntei a comissão técnica do Corinthians Steamrollers, aonde permaneci ate o mês passado.

Quais são suas expectativas para a temporada a frente do Eucalyptus?

O objetivo é obter no paulista uma classificação melhor que no a do ano passado. Digamos que o objetivo mínimo é igualar, mas todos querem mais esse ano.

Já conheceu o elenco? Qual a sua avaliação sobre os atletas disponíveis?

Alguns eu já conheço, mas em campo mesmo apenas um jogador que jogou comigo no Mavericks. Mas já assisti aos jogos da equipe no ano passado e posso dizer que temos um bom elenco. Há muito que trabalhar, mas a base é muito boa.

Na sua opinião como seria um treino ideal para uma equipe como o Eucalyptus, que tem pouco tempo para treinar?

Na verdade, esse é um problema da maioria das equipes.

Um treino ideal seria aquele em que todos os jogadores estivessem 110% focados e que você conseguisse começar e terminar com a equipe completa em campo.


Ano passado, fizemos uma reportagem completa sobre o Eucalyptus. Você pode lê-la aqui.

Attachment

carlosmassari

Carlos Massari é graduado em Comunicação Social – Midialogia pela Unicamp e atualmente faz pós-graduação em Jornalismo Esportivo. É viciado em todos os tipos de esportes. Cinema, cervejas e viagens também o fazem feliz.