[PREVIEW CFB 2016] Top 5: Defensive Tackles

[PREVIEW CFB 2016] Top 5: Defensive Tackles

Nossa série de previews para a temporada de 2016 traz dessa vez os melhores  defensive tackles do College Football. Responsáveis principalmente por conter as corridas, eles são geralmente os maiores atletas da linha defensiva. Porém, existem variações de jogadores que podem entrar em situações de passe para chegar ao quarterback adversário.

Os defensive tackles dão geralmente o primeiro combate na linha ofensiva adversária. Um boa linha defensiva é muitas vezes a chave para anular o ataque rival em um jogo.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Menções honrosas: Jarron Jones (Notre Dame), Jaleel Johnson (Iowa), Montravius Adams (Auburn), Josh Augusta (Missouri), Vincent Taylor (Oklahoma State) e Eddie Vanderdoos (UCLA).

5. Chris Wormley, Michigan

É um jogador bem grande, porém bastante versátil. O defensive tackle de Michigan tem 1,94 de altura e 137 kg, o que o faz ser um verdadeiro monstro na linha denfensiva de Harbaugh. O ano de 2015 foi o primeiro dele como titular dessa linha e foi no geral uma boa temporada para ele. No fim, foram 43 tackles, 14.5 tackles para perda de jardas e 6.5 sacks para Wormley, que vai para sua última aparição pelos Wolverines.

4. Charles Walker, Oklahoma

Walker não é dos defensive tackles mais altos, porém ele compensa isso com uma força monstruosa. Ele tem 1,88 de altura e 138 kg, ou seja, é bem menor porém mais forte que Wormley, que acabamos de citar. O jogador dos Sooners espera que essa seja seu último ano de College, então podemos esperar coisas boas vindo desse jovem. Em 2014 e 2015 ele conseguiu 46 tackles, 11 tackles para perda de jardas, 6,5 sacks e 1 fumble forçado. Na temporada passada, foi eleito para alguns prêmios individuais e deve repetir a dose agora em 2016. Alguns relatos sobre a cirurgia que ele fez na inter-temporada dão conta de que era algo bem menos sério do que se imaginava e ele estará pronto antes do que se espera.

3. Malik McDowell, Michigan State

Ele é um jogador muito interessante, pois consegue jogar como defensive tackle em uma defesa 4-3 e como defensive end e até como nose tackle em uma defesa 3-4 com a mesma eficiência. Inclusive essa variância deve acontecer nos jogos dos Spartans. McDowell, que é de Southfield, Michigan, tem 1.98 de altura e 129 kg. Esse tamanho é o que faz com que ele seja tão dominante, já que sabe usá-lo de maneira muito eficaz. Em 2015 foram 41 tackles, 13 tackles para perda de jardas, 4,5 sacks e 2 fumbles forçados. Números excelentes!

2. Davon Godchaux, LSU

Uma das peças chave da defesa de LSU nessa temporada, que promete vir melhor que na anterior. O jogador de 1.93 e 132 kg é muito dominante na linha em que joga e tem ótimos movimentos para se livrar dos offensive tackles. Godchaux deve atuar como nose tackle na defesa 3-4 que os Tigers irão adotar esse ano, algo que não é o ideal. Porém, ele consegue se desenvolver bem ao longo de toda a linha com base na sua explosão e rapidez, que são as suas principais virtudes. Em 2015, teve 41 tackles, 9 tackles para perda de jardas, 6 sacks e 1 fumble forçado

1. Carlos Watkins, Clemson

É o meu jogador preferido dessa lista de defensive tackles. Watkins é o último remanescente da brilhante defesa de alguns anos de Clemson, que tinha nomes como Vic Beasley, Grady Jarrett, Shaq Lawson e Kevin Dodd, portanto, precisará, liderar essa nova fornada de bons valores e esse é o meu único problema com ele, seu senso de liderança que não é dos mais fortes. Inclusive a volta dele para o último ano pode ser justamente para assumir esse posto e trabalhar essa questão. Apesar disso, sua produtividade é invejável: até aqui foram 69 tackles, 8 tackles para perda de jardas e 3.5 sacks. Além de ter recebido várias honrarias individuais, sendo um ótimo nome para receber novamente.

Attachment

pedro-ivo

Pedro Ivo tem 25 anos e se formou em Jornalismo em 2016. Começou a acompanhar a NCAA em 2010, quando foi morar em Vancouver. Em visita à cidade, estava sem dinheiro para ir a um jogo do Seattle Seahawks e aceitou ir ver um jogo de Washington, já que o ingresso era bem mais barato. Os Huskies venceram UCLA por 24-7 de virada e ali começou uma paixão pelo time roxo da Pac-12.