[PREVIEW CFB 2016] #13 USC Trojans

[PREVIEW CFB 2016] #13 USC Trojans

Possivelmente a equipe com calendário mais difícil dentre toda a FBS, os Trojans jogam contra os melhores times da conferência, inclusive o clássico contra UCLA, fora de casa. Além disso, ainda enfrentam Alabama e Notre Dame como rivais de fora da Pac-12.

O calendário difícil pode ofuscar vários talentos que a equipe possui, já que a relação entre vitórias e derrotas pode não corresponder necessariamente à qualidade do elenco. Atletas como o wide reciever JuJu Smith-Schuster, o offensive tackle Zach Banner e o cornerback Adoree Jackson são bons o bastante para que todos fiquem de olho neles nessa temporada.

Como foi em 2015

Campanha: 8-6 (6-3 na Pac-12)

Bowl Season: Derrota para Wisconsin por 28 a 26 no Holiday Bowl

Nos dois primeiros jogos, enfrentou equipes fracas e venceu com tranquilidade. Porém, no primeiro confronto com uma rival de maior qualidade, foi derrotada por Stanford por 41 a 31, em boa partida do quarterback adversário.
Depois de bater Arizona State, vieram duas derrotas que complicaram bastante a equipe, principalmente para Washington em casa.

A defesa vinha com dificuldades, porém o ataque se encaixou e o time fez quatro vitórias seguidas: triunfou sobre Utah – que naquela altura era #3 – Califórnia, Arizona e Colorado. que incrivelmente fez jogo duro com os Trojans. Aí veio derrota para Oregon.

O fim de temporada foi de vitória no clássico sobre UCLA e nova derrota para Stanford, que fizeram a equipe terminar com um 8-5 (6-3 na Pac-12).

No National Funding Holiday Bowl, USC foi surpreendida por Wisconsin: 23 a 21.

Ranking da classe de recrutamento de 2015: #2 (247Sports)

Ataque

O time precisará de um novo quaterback para substituir Cody Kessler e essa empreitada ficará nas mãos de Max Browne, um jogador de terceiro ano que ficou na reserva de Kessler durante todo o seu tempo na USC.

Para ajudá-lo, a equipe tem vários jogadores talentosos e que podem ser considerados excelentes nomes dentro da conferência, como os running backs Justin Davis e Ronald Jones II, que ajudarão a reduzir a quantidade de jardas para Browne lançar e e também em passes curtos, o wide receiver JuJu Smith-Schuster, que é um monstro na posição, além de uma linha ofensiva bastante sólida.

Defesa

A defesa dos Trojans tem vários bons nomes, principalmente na secundária: Adoree Jackson e Iman Marshall formam possivelmente a melhor dupla de cornerbacks do país.

O problema consiste na linha defensiva, que perdeu três titulares que atuaram na campanha do ano passado e terão nesse ano iniciando partidas jogadores que ainda estão no seu segundo ano na universidade.

Comissão Técnica

O treinador principal é Clay Helton, que entrou após Steve Sarkasian ser afastado por seus problemas com álcool. Helton era o coordenador ofensivo da equipe.

Para essa temporada, o coordenador ofensivo é Tee Martin, que foi o treinador de Wide Receivers da equipe até 2015.

Já para assumir a função de coordenador defensivo, o time trouxe Clancy Pendergast de volta. Ele já tinha sido parte do corpo técnico de USC em 1992 e em 2013, quando atuou nessa função.

Jogador de Destaque: Adoree Jackson (CB)

Aqui poderia ser Jackson, Smith-Schuster ou Zach Banner. Qualquer um dos três poderia representar bem o que é ser um jogador de destaque em sua função. A escolha por Adoree se dá pela qualidade que ele apresenta não só como cornerback: ele retorna kickoffs e punts, além de também poder atuar como wide receiver.

Jackson é daquele tipo de jogador que o quarterback adversário foge de lançar em cima já no College. Ele é uma arma letal para o sucesso que os Trojans pretendem ter na temporada.

Jogo do Ano: at Stanford (17/09)

Depois de duas derrotas na temporada passada, USC deve ir para esse jogo com sangue nos olhos para vencer o rival, e o resultado dirá muito sobre a equipe na temporada, até pelo volume de jogo que eles poderão apresentar contra uma boa defesa como a dos Cardinal. O embate pode ser um divisor de águas para a equipe na temporada e fazer com que os adversários se preocupem ainda mais com os Trojans.

Tabela:

03/09: vs. Alabama Crimson Tide (AT&T Stadium, Arlington, TX)
10/09: vs. Utah State Aggies (Los Angeles Memorial Coliseum, Los Angeles, CA)
17/09: at Stanford Cardinal (Stanford Stadium, Palo Alto, CA)
23/09: at Utah Utes (Rice-Eccles Stadium, Salt Lake City, UT)
01/10: vs. Arizona State Sun Devils (Los Angeles Memorial Coliseum, Los Angeles, CA)
08/10: vs. Colorado Buffaloes (Los Angeles Memorial Coliseum, Los Angeles, CA)
15/10: at Arizona Wildcats (Arizona Stadium, Tucson, AZ)
28/10: vs. California Golden Bears (Los Angeles Memorial Coliseum, Los Angeles, CA)
05/11: vs. Oregon Ducks (Los Angeles Memorial Coliseum, Los Angeles, CA)
12/11: at Washington Huskies (Husky Stadium, Seattle, WA)
19/11: at UCLA Bruins (Rose Bowl, Pasadena, CA)
26/11: vs. Notre Dame Fighting Irish (Los Angeles Memorial Coliseum, Los Angeles, CA)

Previsões:

Cenário Otimista: O quarterback que jogar aproveita bastante as armas que tem e o jogo terrestre encaixa muito bem. A defesa faz o que está prometendo e as vitórias em um calendário complicado fazem a equipe jogar um bowl muito importante, talvez até chegando aos playoffs

Cenário Provável: A equipe faz uma boa temporada, com o ataque fluindo de mediano para bom e a defesa jogando muito bem. No fim, campanha de 8-4 e o título da Pac-12 escapa por pouco.

Cenário Pessimista: Os Trojans tem problemas na posição de quaterback, com Max Browne não conseguindo aproveitar tudo que o ataque do time de bom. Além disso, o pass rush é falho e o time acaba sofrendo muitos pontos por jogo, terminando com 6-6 e jogando um bowl mediano.

Attachment

pedro-ivo

Pedro Ivo tem 25 anos e se formou em Jornalismo em 2016. Começou a acompanhar a NCAA em 2010, quando foi morar em Vancouver. Em visita à cidade, estava sem dinheiro para ir a um jogo do Seattle Seahawks e aceitou ir ver um jogo de Washington, já que o ingresso era bem mais barato. Os Huskies venceram UCLA por 24-7 de virada e ali começou uma paixão pelo time roxo da Pac-12.