O melhor e o pior da Semana 6: SEC

Foto: Scott Halleran/Getty Images

Foto: Scott Halleran/Getty Images

Com exceção do jogo entre Texas A&M e Tennessee, o último final de semana foi bem pouco movimentado dentro do campo. Fora dele, houve turbulência e confusão em Gainesville: o jogo entre Florida e LSU, importantíssimo para ambas as equipes, simplesmente foi adiado por causa do furacão Matthew e não possui nova data – falarei em minúcias sobre isso mais abaixo. Também devido ao furacão, o confronto entre South Carolina e Georgia foi adiado – mas para o domingo, e Georgia venceu, como esperado. Além disso, Auburn derrotou sem grandes dificuldades uma Mississippi State claramente em frangalhos após a saída de Dak Prescott e retornou ao Top 25 depois de mais de um ano fora dele e a sua maior rival, Alabama, mostrou mais uma vez que não é a #1 do país à toa. Já os torcedores de Ole Miss e Missouri apenas viram tudo acontecer pelos seus televisores, já que seus times estavam de folga.

Confira o que de melhor e de pior, para o bem ou para o mal, aconteceu neste último findi pela melhor conferência do College Football:

O melhor

Ninguém segura Alabama

“Ninguém segura esse time” é a chamada perfeita de veículos esportivos sensacionalistas (hoje em dia, dá pra incluir parte considerável da grande mídia nisso) para conseguir cliques e discussões infinitas sobre time X e o assunto. Pouco tempo depois, tal equipe começa a perder e não se provar tudo aquilo que havia mostrado anteriormente – fato que na grande maioria das vezes é normal, já que perder faz parte do jogo. Porém, a Alabama de 2016 parece estar totalmente imune às pragas rogadas pela mídia e pelos adversários. A vitória por 49-30 sobre Arkansas, partida na qual a mídia americana afirmava ser “o grande teste fora de casa para Nick Saban”, saiu totalmente ao natural. O ataque funcionou decentemente e, embora tenha anotado menos jardas totais que os Razorbacks, forçou 5 turnovers, sendo três interceptações – uma retornada para touchdown – e dois fumbles. Além disso, como esperado, o jogo corrido de Arkansas foi totalmente parado: nenhum dos seus corredores passou das 50 jardas.

Seus próximos desafios TALVEZ sejam os mais complicados da temporada (digo talvez porque é bem capaz de Alabama vencer sem dificuldades da mesma maneira): Tennessee (fora) e Texas A&M (casa). Ambos estão no Top 10. Nick Saban e sua trupe deverão mostrar a eles porque são a #1 do país.

Kentucky ganhou um jogo!

Mas era sobre Vanderbilt, e foi por magros 20-13 em casa. Voltemos à nossa programação normal.

Não sei o que dizer, só sentir: Texas A&M vs. Tennessee

Engraçado para quem via de fora, um carrossel de emoções para quem torcia para um dos lados. Se pudéssemos comparar o jogo com alguma coisa, certamente seria: transtorno de bipolaridade. Numa jogada, você comemorava e se enchia de esperança. Na jogada seguinte, você via tudo ir por água abaixo com um erro e se decepcionava, se frustrava, se desiludia e proferia mil xingamentos. Quer um exemplo? No terceiro quarto, Tennessee interceptou um passe de Trevor Knight logo após diminuir a desvantagem para 28-14. Duas jogadas depois, o ataque dos Vols sofria um fumble e devolvia a bola para os Aggies.

Só que o jogo estava tão insano que essa bipolaridade deixou de ser apenas de uma jogada pra outra e passou a acontecer dentro de uma mesma jogada. Exemplos: Tennessee ganhou mais de 50 jardas em um screen pass para o running back Alvin Kamara e estava muito perto da endzone, mas ele sofreu um fumble e a bola foi recuperada por Texas A&M. Todo o ganho de jardas não servira pra nada. O contrário também ocorreu: os Aggies venciam por 28-21 a 2 minutos do fim e conseguiram uma longa corrida para anotar o touchdown que praticamente selaria a vitória, mas um defensor de Tennessee forçou um fumble na linha de 1 jarda, que virou touchback.

Depois disso, as surpresas rarearam um pouco e deram espaço para as síndromes de ataque cardíaco (afinal, é sempre importante testar como está o seu coração: pra que gastar dinheiro com uma consulta ao médico?): Texas A&M, com apenas 41 segundos para anotar um mísero Field Goal pra vencer, conseguiu chegar em área de Field Goal rapidamente, colocando todo o esforço ofensivo a perder. Maaaas… o kicker dos Aggies conseguiu mandar a bola a 800 metros do Y. Resultado: prorrogação. Mais sofrimento. O jogo estava prestes a chegar a 5 horas de duração. Pense em todas as coisas úteis que você deixou de fazer apenas para assistir a esse jogo. A partida terminaria em vitória dos Aggies depois de – outra bizarrice – Joshua Dobbs lançar a bola pra um recebedor no meio de quatro defensores e ser interceptado na segunda prorrogação. Caiu a invencibilidade dos Vols e, possivelmente, os milagres de fim de jogo também disseram adeus.

O pior

A treta da não realização do jogo entre Florida e LSU e o drama para definir uma nova data

Preocupados com o furacão Matthew, que assolava toda a costa leste americana, as universidades da Florida e de LSU resolveram adiar o confronto entre as equipes na quinta-feira passada (06). Tudo ok, né? Longe disso.

O primeiro problema era quanto as condições climáticas no dia. Preocupados apenas com a vinda do furacão, as universidades não se deram conta de como estaria o tempo exatamente no horário do jogo. E é aí que entra a primeira questão: no sábado, dia da partida, fez sol o dia inteiro na cidade de Gainesville. O furacão já havia passado pelo estado e o jogo poderia perfeitamente ser realizado. “Ah, mas e com que condições fazer um jogo sendo que várias pessoas foram atingidas?” Bom, por um momento eu também pensei nisso. Não podemos pensar no futebol americano acima de todas as coisas.

Porém, se fosse por isso, o jogo poderia perfeitamente ser realizado no domingo. Iria competir em audiência com a NFL? Iria. Contudo, seria muito melhor do que a situação que as universidades encaram agora: as equipes não compatilham de nenhuma semana de folga até o fim da temporada regular. O reitor de LSU chegou a cogitar que a final da SEC fosse adiada por uma semana para a realização da partida. Há até uma data disponível para ambos no dia 19 de novembro, quando ambos jogam partidas fora da conferência: LSU contra South Alabama, Florida contra Presbytherian (FCS). Entretanto, a questão é complicadíssima: os Tigers teriam que abrir mão de milhões de dólares caso cancelem uma partida em casa (por mais que seja contra South Alabama, é muito difícil que o Tiger Stadium esteja com menos de 100 mil pessoas em um jogo desses). Por outro lado, se o jogo for cancelado, a corrida de ambos os times pelo título da divisão ficará seriamente prejudicada e o caminho ficará livre para Tennessee e Alabama irem para a final da SEC, já que é cada vitória é importante nesta disputa.

E agora, José?

Jogador da semana: Minkah Fitzpatrick, DB – Alabama

Alabama havia jogado cinco partidas antes de enfrentar Arkansas. Neste período, Fitzpatrick conseguiu apenas 1,5 sack, forçou um fumble e desviou 3 passes. Contra os Razorbacks, ele finalmente surgiu para o mundo e interceptou nada menos que três passes, um deles retornado por mais de 100 jardas para touchdown – o recorde da história do programa em uma pick six. Raramente os defensores aparecem aqui, mas neste caso ele merece destaque.

Jogada da semana

Estive tão indeciso que escolhi duas jogadas.

1. A pick six do defensive back Minkah Fitzpatrick, de Alabama, que eu citei acima.

2. Ok, vocês vão achar que sou clubista, MAS: vejam isso. Texas A&M estava prestes a anotar o touchdown da vitória sobre Tennessee quando o defensive back Malik Foreman simplesmente forçou o fumble do jogador dos Aggies na linha de 1 jarda e forçou o touchback para manter vivas as chances dos Vols. Tennessee viria a empatar o jogo no tempo regulamentar em seguida, mas perderia o jogo na segunda prorrogação. A jogada acontece a partir de 3:05 no vídeo.

Resultados dos times da SEC na Semana 6

Sábado, 8 de outubro:

#16 Arkansas Razorbacks 30-49 #1 Alabama Crimson Tide
#8 Texas A&M Aggies 45-38 #9 Tennessee Volunteers
Mississippi State Bulldogs 14-38 Auburn Tigers
Kentucky Wildcats 20-13 Vanderbilt Commodores

Adiado: #18 Florida Gators vs. LSU Tigers

Domingo, 9 de outubro:

South Carolina Gamecocks 14-28 Georgia Bulldogs

Folgaram: Ole Miss e Missouri.

Jogos dos times da SEC na Semana 7 (Horários de Brasília)

Sexta, 14 de outubro:

23h15: BYU Cougars vs. Mississippi State Bulldogs

Sábado, 15 de outubro:

13h: Georgia Bulldogs vs. Vanderbilt Commodores
16h30: #9 Tennessee Volunteers vs. #1 Alabama Crimson Tide
17h: #18 Florida Gators vs. Missouri Tigers
20h: #22 Arkansas Razorbacks vs. #12 Ole Miss Rebels
20h30: LSU Tigers vs. Southern Mississippi Golden Eagles

Foto: Scott Halleran/Getty Images

Attachment

felipem

Estudante de jornalismo da Universidade Federal de Santa Maria e criador do College Football Brasil. Imparcialidade não existe, College Football é melhor que NFL e apaixonado por esportes. Torcedor da Universidade de Tennessee.