O melhor e o pior da Semana 11: SEC

O melhor e o pior da Semana 11: SEC

É triste dizer, mas a temporada interna da conferência de Alabama SEC está acabando. No lado oeste, tudo já foi definido com a vitória irretocável de Bama sobre Mississippi State e a derrota desastrosa de Auburn para Georgia. Na divisão leste, a decisão fica para a semana12: Florida e Tennessee venceram, o que fez com que Kentucky e South Carolina não tenham mais chances matemáticas. Se os Gators derrotarem LSU, a divisão é deles. Caso contrário, Tennessee precisa vencer os dois jogos restantes contra Missouri e Vanderbilt para ir a Atlanta.

O melhor

Falar de Alabama está repetitivo, embora seja necessário

Em meio ao caos dos times ranqueados – sobretudo o Top 4 – Alabama foi um porto seguro. Ok, Mississippi State é um time bastante fraco e realmente não possuía muitas condições de impor alguma dificuldade, mas o domínio apresentado fez parecer que Bama estivesse enfrentando um time do Group of Five ou da FCS, e não um rival divisional. Os Bulldogs foram limitados a apenas 274 jardas, enquanto o Crimson Tide ultrapassou as 600 jardas. Jalen Hurts foi o líder em jardas aéreas e terrestres da equipe, com 347 jardas lançadas, 4 touchdowns e 1 interceptação, além 11 corridas para 100 jardas e 1 touchdown.

Com a derrota de Auburn, Alabama conquistou a divisão pelo terceiro ano consecutivo e deve fechar a temporada regular invicta. Os próximos adversários são Chattanooga, do kicker brasileiro Henrique Ribeiro, e a própria Auburn no Iron Bowl.

Shea Patterson, QUE HOMEM

O fim da linha para Chad Kelly significou o início da linha para outro jogador: Shea Patterson. Ele estava com a redshirt e não iria atuar em 2016, mas Ole Miss resolveu tirar a sua redshirt dele para que ele atuasse no restante do ano. Na minha opinião, seria um erro tirar um ano de elegibilidade dele para ele ser um tapa-buracos por três ou quatro jogos, correndo sério risco de ser queimado. Com o time perdendo por 21-6 e Patterson sendo massacrado pela defesa dos Aggies, soltei este tweet:

Hugh Freeze é o treinador de Ole Miss, antes que alguém me pergunte.

Mas no quarto período, ele resolveu acordar. O seu primeiro touchdown como quarterback universitário lembrou muito o de Johnny Manziel contra Alabama:

Foi o começo de uma reação excepcional. Os Rebels anotaram 23 pontos no quarto período – incluindo dois passes para touchdown de Shea Patterson – e Ole Miss virou o jogo para 29-28. Patterson encerrou o jogo com 25/42 para 338 jardas, 2 touchdowns e 1 interceptação. Números excelentes para alguém que fazia seu primeiro jogo como atleta universitário. Há de se ressaltar: o menino tem futuro. Até que fez sentido tirar a sua redshirt.

Não se engane pela derrota para Alabama, o time de LSU é excelente

LSU vinha de derrota para Alabama. Arkansas vinha de uma vitória sobre Florida. Um vinha com moral lá no alto e sobre o outro voltavam a pairar desconfianças – que chegaram ao nível de querer comparar a qualidade de ambas.

Não, amigos, a diferença entre LSU e Arkansas é brutal. Mesmo o jogo sendo em Fayeteville, os Tigers dominaram completamente a partida e ao natural. Os Razorbacks foram limitados a menos de 300 jardas totais mais uma vez e o jogo terrestre, sobretudo, não funcionou: Devwah Whaley foi o líder em jardas pelo chão, mas obteve apenas 52 jardas, o que sobrecarregou Austin Allen, que pouco fez diante de tanta responsabilidade sobre si. Já LSU viu Derrius Guice anotar 252 jardas terrestres – 96 delas no touchdown terrestre mais longo da história do programa – e 2 touchdowns. Leonard Fournette foi mais discreto e obteve “apenas” 98 jardas, o que não foi problema para os Tigers.

O grande problema de LSU reside na posição de quarterback, que foi o maior impeditivo pra equipe derrotar Alabama – um time de uma qualidade muito superior a qualquer outro programa da FBS -, mas ainda assim o conjunto é bom: a defesa é poderosa, a linha ofensiva é muito boa, o jogo terrestre funciona bem tanto com Leonard Fournette quanto com Derrius Guice… o problema foram as derrotas de início de temporada, quando o time ainda apresentava problemas. Mas não se engane: os Tigers possuem um dos 10 melhores times do país, embora os rankings não os coloquem lá.

O pior

Estava bom demais pra ser verdade, Auburn

O adversário era Georgia, um time com campanha desastrosa e que não consegue se impor nem diante dos adversários da própria divisão, considerada a mais fraca do Power Five. As chances de vitória, segundo rankings da ESPN, eram superiores a 75%. O time até saiu na frente com um touchdown terrestre de Kerryon Johnson, mas foi só. Mesmo com Georgia com um ataque horroroso, os Bulldogs conseguiram virar o jogo em uma pick six de Maurice Smith e em dois Field Goals no segundo tempo. E Auburn não conseguiu fazer mais do que míseros sete pontos. Sean White completou apenas seis passes de 20 para ridículas 27 jardas (não, você não leu errado, foi isso mesmo), média de 1,4 jardas por passe. Kerryon Johnson, que é running back, completou os dois passes que tentou para 10 jardas.

É impressionante como White segue como titular mesmo sem apresentar muita coisa, já que no decorrer deste ano ficou clara a dependência do ataque pelo jogo terrestre. Como o mesmo não funcionou desta vez, a derrota se tornou inevitável e, de quebra, fez o programa entregar o título da divisão oeste da SEC de graça para Alabama. Parabéns Auburn, você conseguiu. E a quem acredita que Auburn consiga fazer frente à Alabama, é melhor esperar sentado.

Texas A&M, o cavalo paraguaio – parte 859

Quem lê essa coluna semanalmente já sabe e até está cheio de ouvir eu dizer que Texas A&M é o cavalo paraguaio da SEC. Falei disso semana passada, mas repito nesta semana por causa de mais uma derrota inexplicável. Ole Miss estava em frangalhos, sem seu quarterback titular, com uma linha ofensiva capenga e uma defesa horrorosa. A vitória era praticamente uma obrigação para os Aggies, que ainda jogavam em casa e tinham o adversário com um calouro estreante como signal caller. “Ah, mas Texas A&M também estava com quarterback reserva”. Não interessa. O reserva do programa do Texas era muito mais experiente e já possuía experiência com Bowl Season (derrota para Louisville de Lamar Jackson no Music City Bowl).

Porém, certas coisas são simplesmente inexplicáveis. De uma maneira geral, o ataque produziu muito menos menos do que o esperado – foram apenas 213 jardas aéreas e 129 terrestres, apenas quatro jardas a mais do que Shea Patterson conseguiu em jardas lançadas. Mas o mais inexplicável foi o colapso sofrido pela defesa no quarto período, que cedeu 23 pontos e viu uma vantagem confortável ser suprimida por um calouro. Com a derrota, as já remotas chances de título nacional se foram de vez. É impressionante como o desempenho da equipe definha em novembro: nos últimos três anos, o time foi 2-2 neste, justamente o mês mais decisivo na corrida por playoff e por conferência.

Jogador da semana: Derrius Guice, RB – LSU

252 jardas e 2 touchdowns em 21 carregadas (média de 12 jardas por carregada), incluindo um touchdown de 96 jardas – o mais longo pelo chão da história do programa -, além de deixar Leonard Fournette como “coadjuvante” são mais do que suficientes para colocá-lo aqui neste posto.

Jogada da semana

Não teria como ser diferente: o touchdown terrestre de 96 jardas de Derrius Guice.

Resultados dos times da SEC na Semana 11

Sábado, 12 de novembro:

#1 Alabama Crimson Tide 51-3 Mississippi State Bulldogs
#8 Texas A&M Aggies 28-29 Ole Miss Rebels
Georgia Bulldogs 13-17 #9 Auburn Tigers
#25 Arkansas Razorbacks 10-38 #24 LSU Tigers
Florida Gators 20-7 South Carolina Gamecocks
Tennessee Volunteers 49-36 Kentucky Wildcats
Missouri Tigers 26-17 Vanderbilt Commodores

Jogos dos times da SEC na Semana 12

15h: Georgia Bulldogs vs. Louisiana-Lafayette Ragin’ Cajuns
15h: #25 Texas A&M Aggies vs. UTSA Roadrunners
16h: #16 LSU Tigers vs. #23 Florida Gators
18h30: #19 Tennessee Volunteers vs. Missouri Tigers
19h: South Carolina Gamecocks vs. Western Carolina Catamounts (FCS)
19h30: Kentucky Wildcats vs. Austin Peay Governors (FCS)
22h: Mississippi State Bulldogs vs. Arkansas Razorbacks
22h: #1 Alabama Crimson Tide vs. Chattanooga Mocs (FCS)
22h30: #15 Auburn Tigers vs. Alabama A&M Bulldogs (FCS)
23h: Vanderbilt Commodores vs. Ole Miss Rebels

Foto: Kevin C. Cox/Getty Images 

Attachment

felipem

Estudante de jornalismo da Universidade Federal de Santa Maria e criador do College Football Brasil. Imparcialidade não existe, College Football é melhor que NFL e apaixonado por esportes. Torcedor da Universidade de Tennessee.