Por razões médicas, Josh Rosen é vetado do Cactus Bowl

Por razões médicas, Josh Rosen é vetado do Cactus Bowl

Um dos quarterbacks mais badalados do College Football em 2017 talvez nunca mais irá pisar novamente num gramado de futebol americano universitário para jogar. Segundo informações do insider Bruce Feldman, da Sports Illustrated, o quarterback de UCLA Josh Rosen foi vetado pelos médicos da universidade de disputar o Cactus Bowl.

A razão para a decisão se deveu a uma concussão sofrida pelo atleta no jogo contra Washington na semana 9, que o deixou de fora da partida seguinte contra Utah. Os temores voltaram na partida final da equipe na temporada contra California. Na ocasião, Rosen sofreu uma forte pancada ainda no 2º quarto e não retornou mais para a partida. Mesmo com o interesse de Rosen em jogar, os médicos resolveram vetá-lo do Cactus Bowl contra Kansas State por temerem que a concussão retorne.

Sem a participação na Bowl Season, é bem possível que este seja o fim do ciclo de Josh Rosen no nível universitário. Embora não tenha se declarado oficialmente para o Draft, ele já é cotado por muitos especialistas como possível primeira escolha geral pelo Cleveland Browns. Mesmo perdendo jogos por lesão e contando com um conjunto bastante fraco ao seu redor, Rosen completou 62,5% dos passes para 3717 jardas, 26 touchdowns e 10 interceptações em 2017. Devon Modster deve ser o seu substituto no Cactus Bowl, marcado para à meia-noite (Horário de Brasília) do dia 26 para o dia 27 de dezembro.

UCLA, o sonho que virou pesadelo

Josh Rosen chegou à UCLA em 2015 após ser classificado como o melhor quarterback da classe do High School do ano anterior pelo 247Sports e até mesmo o melhor atleta geral da classe pela Rivals. Graças ao estilo de ataque uptempo utilizado pelo técnico Jim Mora, Rosen conseguiu vencer a concorrência pela posição logo no seu ano de calouro e se tornou o primeiro true freshman a iniciar uma temporada como titular em UCLA.

Porém, o que era sonho rapidamente se transformou em pesadelo. Após uma boa temporada inicial como calouro, Rosen passou a sofrer com as lesões de um conjunto que começava a desmoronar. Na derrota contra Arizona State na temporada passada, ele lesionou o ombro e perdeu o restante da temporada. Se com ele o time estava com campanha 3-3, sem ele foi 1-5 e ficou de fora da Bowl Season. Mesmo jogando apenas 6 partidas em 2016, o quarterback acabou sofrendo 13 sacks, contra apenas 14 em toda a temporada de 2015.

Já o ano de 2017 foi marcado por vários altos e baixos. O ponto alto foi logo no início: na semana 1, Rosen foi o responsável por uma das maiores viradas da história do College Football. Perdendo por 44-10 contra Texas A&M, ele completou 35/59 para 491 jardas e 4 touchdowns para garantir uma incrível vitória por 45-44 em apenas 17 minutos. Porém, o conjunto era excessivamente fraco e os resultados não vieram: a elegibilidade para a Bowl Season só veio na última semana da temporada regular diante de California para fechar com 6-6.

Em três anos, Josh Rosen trabalhou com três coordenadores defensivos diferentes: Noel Mazzone (2015), Kennedy Polamalu (2016) e Jedd Fisch (2017) – este último o atual técnico interino, já que o técnico Jim Mora foi demitido no dia seguinte após a derrota para USC – que coincidentemente era o dia de aniversário do técnico.

E, por ironia do destino, ele pode parar em outra equipe totalmente desestruturada: considerado o melhor quarterback do College Football, Rosen é forte candidato à primeira escolha geral do Draft, que deve ficar com o Cleveland Browns. A equipe treinada por Hue Jackson na NFL acumula o recorde de 1-29 nas duas últimas temporadas e está com campanha 0-14 em 2017, além de ter trocado de General Manager há pouco mais de duas semanas.

felipem

Estudante de jornalismo da Universidade Federal de Santa Maria e criador do College Football Brasil. Imparcialidade não existe, College Football é melhor que NFL e apaixonado por esportes. Torcedor da Universidade de Tennessee.