O melhor e o pior da semana 8: PAC-12

O melhor e o pior da semana 8: PAC-12

Após a semana 8, a classificação das duas divisões da PAC-12 se embolou ainda mais. Se por um lado temos três equipes em cada divisão brigando diretamente pelo título, outras três parecem já ter dado adeus até mesmo à chance ir para a bowl season. É bem verdade que o calendário interno está começando a afunilar agora e é ele o critério para definir os campeões. Quem já está com 1-3 como Utah, 1-4 como Oregon, California e Colorado ou ainda 0-4 como Oregon State já está à mercê de um milagre. Já as duas equipes de Arizona vem se reestruturando e aparecem com chances reais.

O MELHOR:

Há vida no deserto.

Tudo bem que o jogo foi em Utah, mas Arizona State parece ter se arrumado. Se o jogo aéreo com Manny Wilkins não animou, com apenas 4.8 jardas de média por tentativa, os Sun Devils acharam no jogo terrestre e na defesa suas forças para bater os Utes. Foram ao todo quatro interceptações, uma delas uma pick-six. Por ter ficado o jogo inteiro atrás no placar, Utah acabou forçando muitos passes e a defesa de Arizona State soube administrar muito bem a vitória, sem ceder big plays e sem dar a famosa relaxada pela vantagem no placar.

Washington State se recupera.

Com a folga dos Huskies, o estado inteiro de Washington estava de olho nos Cougars. Depois de uma semana em que Luke Falk teve cinco interceptações e Washington State havia sofrido seu primeiro revés, era muito importante saber se havíamos visto o que realmente eles são na apresentação anterior, ou se aquele jogo foi apenas um buraco na jornada.

Ao que tudo indica, ficamos com a opção do buraco. Falk lançou três touchdowns e ajudou na administração da vitória, mesmo com apenas 197 jardas, e com 17 passes completos dos 34 tentados. O jogo foi tão pouco pirotécnico que nem parecia College. Tirando as 194 jardas do time vencedor, foi um 28 a 0 bem calmo. Colorado em nenhum momento após o cara ou coroa teve chance de vencer alguma coisa. Washington State está 7-1 no geral, pela primeira vez desde 2003 e lidera a divisão norte.

O PIOR:

USC a uma derrota de sair do ranking.

No único jogo fora da conferência na semana, os Trojans foram até Indiana para enfrentar Notre Dame e se concretizaram como maior decepção da conferência até o momento – no páreo com Oregon.  Cada semana que passa, fica mais difícil defender Sam Darnold. Ele que já disse publicamente que pretende jogar por USC até a temporada de sênior, vai mostrando que essa é uma decisão acertada até mesmo para ele.

No jogo contra os irlandeses, mais uma vez os turnovers foram o problema. Com 13 minutos no relógio no primeiro quarto, um snap horrível resultou em fumble que acabou em touchdown. Após perder um field goal de 27 jardas, USC viu ainda seu retornador sofrer soltar a carne mais uma vez após pedir fair catch. Cerca de um minuto depois, com um passe muito mal pensado, Darnold foi interceptado. Essas desventuras em série fizeram os Trojans irem para o intervalo perdendo por 28 a 0. No segundo tempo, embora o ataque tenha se ajustado e lançado dois touchdowns, a defesa continuou porosa. Dessa maneira, não havia reação possível: o massacre foi encerrado em 49 a 14.

Oregon achou o porão no fundo do poço.

A campanha de Oregon não chega a ser pífia, com um 4-4 no geral. O problema é que as quatro derrotas foram dentro da conferência e que esse Oregon que estamos falando é o Ducks e não o Beavers. Desde a contusão de seu quarterback titular, seguida de uma atuação de 33 jardas dos reservas, parece que ninguém confia no jogo aéreo dos Ducks. Essa desconfiança reflete em apenas 15 tentativas de passe e se mostra correta ao ter apenas 8 deles completados. Royce Freeman, o running back, tenta carregar o piano, tendo 160 jardas em 29 tentativas. O próprio signal caller nesse jogo, Braxton Burmeister, correu para outras 27. No total foram 260 jardas corridas pela equipe, contra 74 lançadas e uma interceptação.

Jogando fora de casa, contra um Rosen lançando 21 passes completos de 36 para 266 jardas e dois touchdowns, Oregon acabou saindo de Pasadena apenas se lembrando do que um verdadeiro pocket passer é capaz de fazer.

A MELHOR JOGADA:

Preciso confessar que não sei se achei essa jogada tão legal. Apesar de ser bem inusitada e moralizadora. (Foi quase como enterrar na cara do adversário no basquete). Porém, algo na minha cabeça não consegue entender como colocar os pés no ombro do adversário, escalando seu abdômen pode ser uma jogada permitida.


O melhor jogador

Pela segunda semana seguida, Khalil Tate. Apesar do segundo anista ser quarterback, seus principais momentos são sempre correndo. De qualquer forma, não há como negar que correr ele sabe.

RESULTADOS DA PAC-12 NA SEMANA 7:

Arizona State Sun Devils 30 at 10 Utah Utes

Oregon Ducks 14 at 31 UCLA Bruins

#11 USC Trojans 14 at 49 #13 Notre Dame Fighting Irish

Arizona Wildcats 45 at 44 California Golden Bears

Colorado Buffaloes 0 at 28 #15 Washington State Cougars

JOGOS DA PAC-12 NA SEMANA 8:

Quinta feira (26/10)

23:00: #20 Stanford Cardinal at Oregon State Beavers

Sábado (28/10)

16:00 California Golden Bears at Colorado Buffaloes

17:30 UCLA Bruins at #12 Washington Cougars

19:45: Utah Utes at Oregon Ducks

23:30: #15 Washington State Cougars at Arizona Wildcats

00:45: #21 USC Trojans at Arizona State Sun Devils

Attachment

sergio-magalhaes

Estudante de Engenharia, apaixonado por esportes universitários, suas histórias e bastidores. Tentando relacionar geopolítica e aspectos econômicos com o esporte, ou apenas me emocionando com ele. Clubista quando se trata da LSU. Geaux Tigers!