Com transmissão da ESPN+, Notre Dame joga sua última ficha pelo playoff diante de Stanford

Com transmissão da ESPN+, Notre Dame joga sua última ficha pelo playoff diante de Stanford

Horário: 23 horas (Horário de Brasília)
Local: Stanford Stadium, Palo Alto, Califórnia
Cotação: Notre Dame é favorita por 2,5 pontos
Histórico: Notre Dame lidera a série por 19-12
Transmissão: ESPN+

A última semana da temporada regular do College Football chegou. Para a maioria dos times, caso se esteja no topo, ainda é sinal de que se possa jogar uma final de conferência e sonhar com College Football Playoff. Para Notre Dame não. Por ser independente (embora por contrato seja filiada à ACC nos demais esportes e jogue cinco partidas anuais contra times da conferência, ela é considerada independente no futebol americano), não joga na próxima semana mesmo com campanha 9-2 por não ter nenhuma final de conferência para disputar.

Ranqueada em #8, o jogo contra Stanford é a última ficha para o Fighting Irish jogar para convencer o comitê para colocá-la no Top 4. Além disso, terá que torcer por derrotas importantes das equipes que estão à sua frente, e mesmo assim pode não adiantar. Nem sempre 2007 vive e nem sempre um time com duas derrotas chega à final nacional (LSU feelings). Porém, o argumento de ter um calendário fortíssimo pode pesar a seu favor caso realmente ocorram vários tropeços.

Já Stanford vive emoções divididas. Com campanha 8-3 (7-2 na Pac-12), o Cardinal já encerrou seu calendário interno e pra efeitos de classificação na conferência o jogo contra Notre Dame não vale nada. Apesar disso, a vida do programa está em jogo, mas a centenas de quilômetros dali: em Seattle, Stanford precisa da vitória de Washington contra Washington State na Apple Cup para ir à final da conferência contra USC no dia 1º de dezembro. O vencedor da partida em questão empatará com o Cardinal em desempenho interno e o título será decidido no confronto direto. Stanford venceu Washington e perdeu pra Washington State, então Stanford só joga a final da conferência se der Washington. Se Wazzu vencer, é Wazzu quem vai à decisão.

Mas falando da partida em Palo Alto, é impossível prever um vencedor. Assim como foi contra Washington, o desempenho do Cardinal depende muito de Bryce Love. O running back candidato ao Heisman tem 1723 jardas terrestres e 16 touchdowns. Se estiver bem, as coisas podem se suceder de maneira muito boa para a equipe. Notre Dame não possui um combate muito bom ao jogo terrestre, estando apenas na 52ª posição, com média de 153,2 jardas cedidas por partida. Contra Miami (FL), o melhor time ranqueado que o Irish pegou, a unidade cedeu 237 jardas terrestres e 3 touchdowns pra uma unidade ofensiva relativamente problemática. A grande questão é que todos sabem de onde sairá o perigo do time californiano e onde a equipe não irá apostar, o que torna mais fácil de se defender contra as investidas de Stanford.

Do outro lado, Josh Adams e Brandon Wimbush fazem um excelente duo, com 2041 jardas e 23 touchdowns terrestres somados. E se a defesa de Notre Dame é problemática, quem dirá a de Stanford, que cede 171 jardas terrestres de média por partida. Claro, há de se analisar que a maioria dos jogos é contra ataques poderosíssimos da Pac-12, então dá pra dar um desconto. Ainda assim, pode ser um problema caso a defesa não consiga parar.

O vencedor do confronto leva o Outlands Trophy. Stanford venceu os dois últimos confrontos, tais como o de 2015, que tirou as chances de playoff de Notre Dame. A partida tem transmissão da ESPN+.

Palpite

As trincheiras definirão o vencedor. Notre Dame tem mais time, mas Stanford joga em casa e, por incrível que pareça, o time joga absurdamente bem em casa, tanto que joga para fechar a temporada invicta em seus domínios. Porém, acredito que dê Irish: o jogo vale muito mais para eles do que para o Cardinal, que não tem mais chances de playoff e só quer que dê Washington para jogar a final da Pac-12. O time de Indiana pode não jogar completamente motivado, mas vai querer dar seu último gás para convencer o comitê caso uma hecatombe aconteça.

Foto: Bob Drebin/Stanford Photo

Attachment

felipem

Estudante de jornalismo da Universidade Federal de Santa Maria e criador do College Football Brasil. Imparcialidade não existe, College Football é melhor que NFL e apaixonado por esportes. Torcedor da Universidade de Tennessee.