Preview: Dia 13 da Bowl Season

Preview: Dia 13 da Bowl Season

Outback Bowl
South Carolina Gamecocks (8-4) vs. Michigan Wolverines (8-4)

Por Luiz Henrique Santos – comentarista convidado

Horário: 15 horas
Local: Raymond James Stadium, Tampa, Florida
Cotação: Michigan é favorita por 12 pontos
Transmissão: Watch ESPN
Histórico: South Carolina lidera a série por 2-1

O Outback Bowl, que é realizado na cidade de Tampa na Flórida recebe este ano Michigan e South Carolina, equipes que terminaram com a mesma campanha, porém os efeitos são diferentes um para o outro.

Para os Wolverines, ter uma campanha 8-4 foi um verdadeiro desastre, vide que a equipe era tratada como uma das candidatas a uma vaga ao College Football Playoff durante toda a pré-temporada. Com a equipe acabando fora até mesmo dos 25 melhores, Jim Harbaugh vê a Bowl Season como um prêmio de consolação e um alívio para seu cargo, que começa a correr risco.

Para levar o Outback Bowl, Michigan vai contar com sua defesa, que apesar de ter tomado 22,5 pontos de média nas duas últimas partidas (contra Wisconsin e Ohio State), tem média de 18,3 pontos cedidos na temporada regular. A equipe costuma proteger muito o jogo aéreo, cedendo apenas 142,9 jardas por jogo e apenas nove touchdowns sendo a melhor em toda FBS.

Do outro lado, South Carolina com a mesma campanha 8-4 vem em um bom momento, sendo que venceu partidas importantes como contra Florida, que a ajudou a terminar a temporada regular no 2° lugar dentro de sua divisão na SEC, atrás apenas de Georgia.

Para tentar superar a forte defesa de Michigan, South Carolina vem um o seu ataque aéreo, que é apenas o 80° em toda FBS, porém é a maior força ofensiva da equipe. No comando desse ataque está o quarterback Jake Bentley, que tem 22 touchdowns totais na temporada (sendo 16 touchdowns lançados). Bentley também é o líder do time em touchdowns corridos, com seis até o momento.

Chick-fil-A Peach Bowl
#7 Auburn Tigers (10-3) vs. #12 UCF Knights (12-0)

Por Márcio Nunes

Horário: 15h30min
Local: Mercedes-Benz Stadium, Atlanta, na Geórgia
Cotação: Auburn é favorita por 9,5 pontos
Transmissão: Watch ESPN
Histórico: Auburn lidera a série por 3-0

O grande destaque desta partida fica por conta do head coach de UCF Scott Frost. Logo depois do final da temporada, o treinador aceitou uma proposta de 7 anos de contrato e 35 milhões de dólares da Universidade de Nebraska e irá comandar os Huskers em 2018. Frost até já trabalhou durante o Early Signing Day recrutando atletas para a equipe do Centro-Oeste dos EUA. Porém, o head coach irá comandar os Knights no Peach Bowl em busca da temporada perfeita. Pelo caminho, Auburn.

A equipe da Southeastern Conference (SEC) surpreendeu o universo do futebol americano universitário ao derrotar Alabama no Iron Bowl e acabar com a série invicta da Crimson Tide. Com a vitória, os Tigers garantiram vaga na final da conferência, porém foram derrotados facilmente por Georgia por 28-7. Nesta partida, o principal jogador ofensivo de Auburn em 2017, o running back Kerryon Johnson, sofreu uma lesão no ombro contra os Bulldogs, mas está 100% recuperado para o Peach Bowl. O atleta foi escolhido o Jogador Ofensivo do Ano na SEC após correr para 1.320 jardas e 19 touchdowns.

Se Auburn tem o quarterback sensação deste ano, Jarrett Stidham, UCF tem outro grande atleta em McKenzie Milton. O quarterback está em quinto lugar no país em passes para touchdown com 35 e em sexto no quesito de jardas por passe completo, com 15,24.

Desde a criação do College Football Playoff, os representantes do Group of Five estão com duas vitórias e apenas uma derrota. Em 2014, Boise State derrotou Arizona no Fiesta Bowl e em 2015 Florida State perdeu para Houston.

Buffalo Wild Wings Citrus Bowl
#17 LSU Tigers (9-3) vs. #14 Notre Dame Fighting Irish (9-3)

Por Thaís Chuva

Horário: 16h
Local: Camping World Stadium, Orlando, Florida
Cotação: LSU é favorita por 3 pontos
Transmissão: ESPN+
Histórico: Notre Dame lidera a série por 6-5

Se enfrentando pela primeira vez desde o Music City Bowl de 2014, os Tigers e o Irish chegam com o mesmo recorde na temporada, porém terminaram a temporada regular em situações bem diferentes: Notre Dame despencou no fim da temporada perdendo dois dos últimos três jogos, ao contrário de LSU que começou mal (uma derrota para Troy?!), mas terminou o ano em alta, com seis vitórias nos últimos sete jogos.

Os Tigers poderão contar novamente com o running back Derrius Guice, que estava lidando com uma lesão, mas retorna para o Bowl e se diz 100% pronto para o confronto. O quarterback Danny Etling não é de arriscar a bola e lançou apenas duas interceptações ao longo do ano, com 14 touchdowns. A combinação de Guice com Darrel Williams pode ser fatal para a defesa de Notre Dame, que sofreu contra Bryce Love de Stanford no último jogo da temporada. Williams e Guice somam para quase 2000 jardas terrestres e 20 touchdowns. O ataque terá que manter o controle da bola e a mantê-la longe do Irish para poder ajudar sua própria defesa, que vem com três desfalques importantes: o DE Arden Key e os LBs Donnie Alexander e Corey Thompson.

O ataque de Notre Dame dependerá completamente do jogo terreste. Brandon Wimbush já se mostrou ser um quarterback que corre melhor do que lança, e com a ajuda do running back Josh Adams eles devem tentar aproveitar dos desfalques da linha defensiva dos Tigers para conseguirem avançar em campo. Wimbush estará em campo sem três de seus quatro principais recebedores: Kevin Stepherson, Alize Mack e Chase Claypool. Então, mais ainda do que na temporada regular, Notre Dame terá que explorar as falhas da linha. LSU teve dificuldade em parar a corrida nas suas derrotas para Mississippi State e Troy, e essa será a chave do jogo para o Irish.

Deve ser um jogo equilibrado dominado pelos corredores de ambas as equipes. Mas LSU conta com mais talentos no ataque e com um quarterback mais confiável. Se Guice e Williams conseguirem explorar a defesa de Notre Dame, LSU vence este jogo logo cedo.

Foto: Orlando Sentinel

Attachment

felipem

Estudante de jornalismo da Universidade Federal de Santa Maria e criador do College Football Brasil. Imparcialidade não existe, College Football é melhor que NFL e apaixonado por esportes. Torcedor da Universidade de Tennessee.