[PREVIEW CFB 2016] Os 5 calendários mais fáceis da FBS

Temple

Quem não gosta de ter um pouco de facilidade em certas coisas e não precisar sofrer? Pois isto é justamente o que este post aborda: como o próprio título do post já diz, são os cinco calendários mais fáceis da FBS, a primeira divisão do futebol americano universitário.

Como se mensura a facilidade de um calendário? Bom, existem várias maneiras de calcular isso. A ESPN Americana possui o Football Power Index (FPI) para avaliar o nível da tabela das equipes considerando também os seus elencos e os dos seus adversários para o ano seguinte. Porém, tal cálculo é extremamente confuso e bastante falho. Por causa disso, resolvemos seguir um critério mais simples, mas puramente matemático: calculam-se as campanhas de 2015 dos adversários de todas as equipes de 2016 e as menores porcentagens de vitórias-derrotas ficam no topo desta lista. Contudo, isso não necessariamente significa que estas serão as tabelas mais fáceis de fato, pois alguns times podem apresentar um desempenho melhor do que no ano anterior e com isso se transformarem em verdadeiras pedras no sapato de muitas destas equipes abaixo.

Este slideshow necessita de JavaScript.

5. Nevada Wolf Pack

Desempenho geral dos seus adversários em 2015: 62-88 – 41,3% de aproveitamento

Alguns fatores explicam o fato de Nevada ter um calendário fraco: dos doze adversários, apenas quatro jogaram a Bowl Season em 2015. Além disso, o time joga na fraca divisão oeste na Mountain West, que – com exceção de San Diego State – foi bastante nivelada por baixo no ano passado.

O time abre a temporada contra Cal Poly, da FCS, que venceu apenas quatro jogos em 2015. Em seguida, a equipe visita Notre Dame em seu maior desafio da temporada. Depois recebe Buffalo e joga fora contra Purdue, com grandes chances de vencer. A seguir, abre a conferência com quatro jogos contra times da divisão que terminaram com recorde negativo: Hawaii (fora), Fresno State (em casa), San Jose State (fora) e Wyoming (em casa). Mesmo os desafios mais difíceis dentro da conferência são acessíveis: New Mexico (fora) e San Diego State e Utah State (em casa). Por fim, termina a temporada jogando fora contra a fraca UNLV. Com exceção do jogo contra Notre Dame, todas as partidas são “ganháveis” e Nevada pode até mesmo terminar 2016 com 11 vitórias e uma final de conferência contra Boise State. Será?

4. Southern Miss Golden Eagles

Desempenho geral dos seus adversários em 2015: 59-85 – 41% de aproveitamento

Campeão da divisão oeste da C-USA, seu calendário também é uma verdadeira baba: apenas três adversários do time do sul do Mississippi foram para a Bowl Season em 2015 e destes, apenas Louisiana Tech da sua divisão conseguiu o feito. Os outros são LSU e Marshall.

A equipe estreia fora de casa contra Kentucky, que terminou com campanha 5-7 pelo segundo ano seguido em 2015. Em seguida, recebe Savannah State, um dos piores programas da FCS. Na semana seguinte, recebe uma Troy em reconstrução e que pode causar estrago. Após, joga fora contra UTEP na abertura do calendário da conferência, seguidos de Rice (em casa) e UTSA (fora) antes de enfrentar LSU no Tiger Stadium, em uma partida na qual a derrota é praticamente certa. Depois, recebe Marshall e Charlotte – dois adversários totalmente diferentes. O primeiro é uma potência da C-USA e deve lutar pelo título da conferência, enquanto o segundo ainda se adapta à FBS. Southern Miss segue com dois confrontos fora contra Old Dominion e North Texas e encerra a temporada regular em clássico contra Louisiana Tech. É difícil prever o que esperar dos Golden Eagles para 2016, já que o time perdeu seu treinador para Army. Porém, se tudo der certo, a equipe possui condições para vencer ao menos nove jogos e chegar à última semana com condições de disputar o título da divisão com Louisiana Tech.

3. New Mexico Lobos

Desempenho geral dos seus adversários em 2015: 62-90 – 40,8% de aproveitamento

Apesar de também jogar na Mountain West, assim como Nevada, a situação é um pouco diferente: a equipe joga na divisão Mountain, o lado mais forte da força na conferência. Contudo, seu calendário é mais fraco devido aos fracos adversários nos confrontos fora da conferência: nenhum deles atingiu a Bowl Season no ano passado. E dos seus adversários da outra divisão, apenas Nevada conseguiu tal feito.

New Mexico inicia com confronto contra South Dakota, da FCS, em seus domínios. Em seguida, joga a Rio Grande Rivalry contra New Mexico State fora de casa. O confronto mais difícil fora da conferência fica no confronto fora de casa contra Rutgers, que venceu apenas quatro jogos em 2015 e trocou de treinador. Na semana seguinte, abre seu calendário dentro da Mountain West em casa contra San Jose State e a seguir recebe Boise State antes de jogar contra Air Force em campo neutro. Depois, recebe Louisiana-Monroe, um dos piores times da FBS em 2015, e vai até Manoa enfrentar Hawaii, que não foi muito melhor que os Warhawks no ano passado. A seguir, recebe Nevada e faz dois confrontos fora contra Utah State e Colorado State. Por fim, recebe Wyoming. Se os Lobos seguirem na sua evolução natural de desempenho, a tendência é que a equipe possa vencer de sete a oito jogos.

2. Temple Owls

Desempenho geral dos seus adversários em 2015: 56-91 – 38,1% de aproveitamento

Campeão da divisão leste da American no ano passado, Temple tem tudo para repetir seu desempenho em 2016 e quem sabe até levar o título da conferência. Novamente, uma série de fatores explica um calendário, em tese, tão fácil – mesmo que AAC seja a conferência mais forte do Group of Five: calendário fora da conferência fraco, divisão com péssimo desempenho e a sorte de pegar rivais da outra divisão com campanhas ruins em 2015.

Temple inicia o ano em confronto contra Army em casa, seguido de outra partida em seus domínios contra Stony Brook, da FCS. Depois, visita a rival estadual Penn State, na qual derrotou pela primeira vez desde 1941 no ano passado. O time finaliza o calendário fora da conferência contra Charlotte em casa e abre o calendário na American contra SMU, também em casa. Após, visita as universidades de Memphis e Central Florida para depois receber South Florida e Cincinnati. Os Owls seguem com dois confrontos fora – Connecticut e Tulane – e terminam a temporada regular em jogo em casa contra East Carolina.

1. UTEP Miners

Desempenho geral dos seus adversários em 2015: 52-94 – 35,6% de aproveitamento

A fraqueza do calendário de UTEP se explica por meio de uma verdadeira hecatombe: os Miners jogam na divisão oeste da C-USA, o lado mais fraco da conferência – que levou apenas dois times à Bowl Season em 2015, Southern Miss e Louisiana Tech. Estes são os únicos adversários da equipe texana que jogaram a pós-temporada no ano passado. Além do calendário divisional fraco, todos os adversários da equipe da divisão leste apresentaram desempenhos ridículos no ano anterior e contribuem para a estatística. E não podemos desconsiderar os jogos fora da conferência também, já que nenhum dos quatro rivais alcançou a pós-temporada. Nem mesmo seu adversário mais complicado, Texas.

UTEP inicia o ano em jogo em casa contra New Mexico State. Em seguida, visita Texas, em seu confronto mais complicado, para depois receber Army. Dentro da conferência, o time pega logo seus maiores adversários no começo: Southern Miss (em casa) e Louisiana Tech (fora). Depois, recebe Florida International e visita a rival estadual UTSA em confronto importante. Os Miners seguem com duas partidas em casa – contra Old Dominion e Houston Baptist, esta da FCS. A equipe segue em dois confrontos fora de casa – Florida Atlantic e a rival estadual Rice – antes de terminar o ano em casa contra a também rival estadual North Texas. Apesar do seu desempenho instável, é bem possível que a equipe vença seis partidas e vá para a Bowl Season.

Attachment

felipem

Estudante de jornalismo da Universidade Federal de Santa Maria e criador do College Football Brasil. Imparcialidade não existe, College Football é melhor que NFL e apaixonado por esportes. Torcedor da Universidade de Tennessee.