Preview 2017: Top 5 – Quarterbacks

Preview 2017: Top 5 – Quarterbacks

Eles são os generais do campo de batalha que é o futebol americano. Os responsáveis por fazer leituras, fazer mudanças necessárias, entender os planos adversários. Eles passam a bola, correm com ela, às vezes até recebem. Eles decidem jogos, seja para o bem ou para o mal. Sim, estamos falando dos quarterbacks, aqueles que atuam na posição mais importante do jogo e que são alçados constantemente ao status de heróis ou vilões.

Há muitos atletas de talento para a posição na temporada 2017 do College Football. Talvez essa seja uma das classes mais talentosas dos últimos anos, e é até difícil escolher os cinco que prometem mais nos próximos meses. Vamos ao top 5 de quarterbacks para mais um ano de futebol americano universitário.

Menções honrosas: Mike White (Western Kentucky), Jake Browning (Washington), Trace McSorley (Penn State), Luke Falk (Washington State), Josh Rosen (UCLA).

Este slideshow necessita de JavaScript.

5. Mason Rudolph (Oklahoma State – Senior)

O arsenal ofensivo que Rudolph tem à sua disposição ajuda muito, mas ele vem consistentemente sendo um dos principais quarterbacks da FBS. Todos os seus números melhoraram de sua temporada de sophomore em 2015 (62,3% dos passes completos, 8,9 jardas por tentativa, 21 touchdowns, 9 interceptações) para a de junior em 2016 (63,4% dos passes completos, 9,1 jardas por tentativa, 28 touchdowns, 4 interceptações).

Rudolph tem a altura necessária para jogar na posição, um braço muito forte e entende bem os conceitos da spread offense que comanda. Com a grande química que possui com o seu ataque, pode estar destinado a uma temporada de altíssimo nível em Oklahoma State.

4. Logan Woodside (Toledo – Senior)

Sim, um jogador do Group of Five! Woodside foi o segundo colocado em rating entre todos os quarterbacks da FBS em 2016. É impressionante a sua proporção de touchdowns para interceptações – 45:9, como também as 9,9 jardas por tentativa. Como a maioria dos signal callers universitários, é possível dizer que ele é um produto de seu sistema. Mas poucos comandam esse sistema com tanta precisão.

Ao contrário de Rudolph, Woodside é um jogador mais baixo e que não tem tanta força no braço, mas que executa com precisão a maioria de seus passes e que é muito inteligente e treina com afinco. Conduzir Toledo ao título da MAC é o mínimo que se espera dele em 2017.

3. Sam Darnold (USC – Redshirt Sophomore)

Em 2016, um freshman fez um programa tradicional ressurgir das cinzas. Após um início de campanha muito ruim, os Trojans decidiram colocar Sam Darnold na posição de quarterback titular. Rapidamente, ele se transformou num fenômeno e levou a equipe à nove vitórias e uma derrota (que foi em sua estreia).

Na sua primeira temporada universitária, ele completou 67,2% dos passes para 31 touchdowns e 9 interceptações. Um ano mais experiente, com o corpo mais desenvolvido e um entendimento maior do esporte em sua nova camada, Darnold poderá alcançar um novo nível de excelência em 2017.

2. Baker Mayfield (Oklahoma – Senior)

Se Logan Woodside foi o segundo colocado em rating em 2016, quem foi o primeiro? Baker Mayfield é a resposta. E a distância para os demais não foi nada pequena. Com absurdas 11,1 jardas por tentativa, além de 40 touchdowns e apenas 8 interceptações, ele comandou o excepcional ataque de Oklahoma e o levou a mais um título da Big 12.

Muitos duvidam das reais habilidades de Mayfield, supostamente por falta de altura e potência no braço. Mas ao vê-lo em campo, estas questões desaparecem. Os Sooners fazem muitos lançamentos em profundidade e o quarterback normalmente acerta o alvo de forma incrível. A real questão que existe sobre ele em 2017 é o fato de ter perdido alvos importantes – especialmente Dede Westbrook.

1. Lamar Jackson (Louisville – Junior)

Atual vencedor do Heisman Trophy, Lamar Jackson não impressiona tanto como seus companheiros de lista em suas habilidades como passador puro. Foram apenas 56,2% dos passes completados em 2016, e seu rating foi quase 50 pontos inferior ao de Mayfield. O que faz a diferença a seu favor é que mais do que poder lançar a bola, ele faz também muito estrago com as pernas.

Foram 260 carregadas para 1571 jardas (6 de média) e 21 touchdowns terrestres para Jackson na última temporada. Algumas de suas exibições foram épicas – quem não se lembra do baile dado na defesa de Florida State? Ele foi, sim, um pouco exposto pela ótima defesa de LSU no Citrus Bowl. Mas o fato é que, para a maioria das stop units da FBS, pará-lo é algo que passa dos limites do impossível.

Attachment

carlosmassari

Carlos Massari é graduado em Comunicação Social – Midialogia pela Unicamp e atualmente faz pós-graduação em Jornalismo Esportivo. É viciado em todos os tipos de esportes. Cinema, cervejas e viagens também o fazem feliz.